/ Cristianismo: Perguntas e respostas: A Religião Egocêntrica e as atitudes cristãs

Obrigado pela visita


Se você gostou do trabalho feito aqui ajude a divulgar, pois a necessidade de darmos conta da nossa fé hoje é mais urgente do que em outros tempos, visto que somos bombardeados por numerosas correntes filosóficas e religiosas contrárias à fé da Igreja Católica Apostólica Romana. Somos assim levados a procurar fortalecer cada vez mais a nossa crença católica por meio de um aprofundamento sobre o que ensina o Sagrado Magistério, a Sagrada Tradição e as Sagradas Escrituras.


Queira Deus abençoar este trabalho e a todos os nossos leitores.


Página inicial Índice Remissivo de Artigos Última página


Traduza esta página

sábado, 3 de janeiro de 2009

A Religião Egocêntrica e as atitudes cristãs

Por: Fabiano Carvalho
Orações egocêntricas não são atendidas.
"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, com o fim de satisfazerdes as vossas paixões". (Tg 4,3)
Se não fazemos a vontade de Deus como querer que Deus faça a nossa?
"venha a nós o vosso Reino; seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu". (Mt 6,10)
Hoje em dia em muitos meios tanto de protestante como de católico é muito difundida a “religião do Eu”.
"Não sejais imprudentes, mas procure compreender qual seja a vontade de Deus". (Ef 5,17)

O que vem a ser a “religião do Eu”?

É o individualismo exacerbado ou egocentrismo, ou seja, o “Eu” no centro do mundo, ou ainda o mundo girando em torno de mim. Definições têm muitas, mas, a idéia é a preocupação excessiva com o “Eu” e o esquecimento do próximo.

Podemos citar vários exemplos:

1º Em uma casa todos estão infectados por um vírus muito contagioso, então um dos membros da casa começa uma oração pedindo: “Meu Senhor e meu Deus, está vendo o quanto sofro com esta doença? Dê-me a cura, livra-me desse mal”. Ora, se a doença é contagiosa de que adianta um só membro ficar curado? Todos devem estar curados para que a doença não os afete novamente, já que todos ali vivem juntos.
Muitas vezes nos preocupamos excessivamente conosco e esquecemos que se o meio a nossa volta não mudar, continuaremos doentes.

2º Um país passa por uma profunda crise financeira ponto de todos os habitantes estarem sem condições de comprarem o básico, como comida, remédios e roupas. A crise fica tão forte que começam a faltar comida e remédios no comércio, já que por falta de compradores o que tinha estocado no comércio se perdeu e as fábricas a maioria fecharam as portas, no campo falta dinheiro para fazer o plantio ou cuidar do rebanho e as poucas fábricas de que continuam vendem caro para quem consegue comprar. Nesta fase da crise a maioria das pessoas esta desempregada e os que estão empregados tem de se sujeitar a baixos salários e atrasos de meses no pagamento.
Então o povo todo sofre, mas um fervoroso comerciante começa a orar pedindo a Deus que dê sustento a sua casa.
Hilário esse pedido, não?
Se a crise é nacional e o sujeito pede sustento só para sua casa, será que está querendo que caísse maná do céu?
Em casos assim ou melhora para todos, já que, vivemos em comunidade, ou a melhora não chega a nós.

3º Uma extensa região está em guerra a anos. Tiros são ouvidos a todo instante, bombas caindo em toda parte e destruindo tudo, estradas bloqueadas pelos militares e guerrilheiros, o campo todo bloqueado com minas terrestres, soldados invadindo as casas para saquear e torturar os moradores. Uma pessoa em meio a esse conflito pede então em oração a Deus: “Meu Pai não deixe que essas bombas caiam aqui”.
Um absurdo esse pedido não acham?
Imagine a cena onde vários anjos de Deus sobre a casa desviando as bombas e dizendo uns com os outros, “essa casa é de um dos protegidos de Deus, vamos desviar as bombas para casa dos vizinhos que não oraram”.
Seria até engraçado se não fosse tão triste. É um absurdo isso, mas muita gente pensa assim e ora assim, pensando só no “Meu”. Ou a guerra acaba para vir a paz ou a tão sonhada paz não virá.

Mas deixando os casos extremos de lado, vamos ao nosso cotidiano:

1º Um casal que vive em “guerra”.
São agressões verbais e pirraças mútuas diárias.
Em casos assim como em muitos outros casos, um sempre acha que o outro está errado, que o outro é culpado. Só não se separam devido aos filhos pequenos. Então ao invés de mudar suas atitudes para melhorar a situação, ambos oram pedindo a mudança de vida do cônjuge. Mas o que adianta o outro mudar se a sua pirraça e suas palavras são tão duras quanto a dele?
Ora, se a mudança não for mútua uma boa convivência será impossível.
Queremos que o outro pare de nos agredir, mas não queremos par de agredir o outro.

2º Noutro caso o marido trai a esposa a muito tempo e a esposa está ciente da situação. A esposa “tolera” essa situação, mas vai guardando aquela magoa no coração. Um dia diante de tanta pressão psicológica, já que, de um lado tem o marido que não a respeita, de outro tem as mágoas guardadas e por outro as “amigas” com “conselhos”, se é se pode chamar assim, dizendo a ela para largar do marido e partir para outra, umas chegam até a apresentar alguns “pretendentes”. A esposa com toda a angústia que tem em meio ao desespero resolve pagar o marido com a mesma moeda, mas sem deixá-lo.
O marido ao descobrir fica uma fera e resolve a largar a esposa por causa da traição e pede logo o divórcio. Mas que direito ele tem de tomar essa atitude e durante anos ele deu este exemplo a esposa? Mas o marido bate no peito e diz: “ “Eu” sou homem”. Se achando no direito de fazer o que quiser da esposa, enquanto a esposa não pode porque é mulher.
Mas uma vez vemos o caso do egocentrismo em ação.
Tanto um como o outro não tem o direito de trair, ou abandonar o outro, já que fizeram um juramento no dia em que casaram. "Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu". (Mt 19,6)

3º Um jovem se matrícula em um concurso para concorrer a uma vaga de um cargo público bem remunerado. O estudante além de não saber as matérias que caíram na prova, não estudou um nenhum dia para se preparar para o concurso. Nas vésperas do concurso o estudante ora fervorosamente pedindo a Deus para que faça com que ele passe no concurso, porque está precisando muito do emprego além de ser muito pobre. Ao sair o resultado da prova, quem conseguiu a vaga foi um ricaço que mora logo em frente a sua casa. Como todo egocêntrico, o estudante acha que ele é quem devia ter passado, mesmo sem estudar, já que o outro não precisa do salário oferecido no cargo. Mas ele se esquece que o ricaço estudou muito e se preparou para o concurso, enquanto ele ficava dando um de coitado esperando as coisas cair do céu. Então começam a praguejar se fazendo de injustiçado e questionando do porque de quem não precisa sempre passa nesses concursos, segundo a visão dele.
É muita ignorância pensar que, basta ficar de braços cruzados e fazer uma oração do “Eu” e tudo vai se resolver.
Infelizmente é essa a mentalidade de muitos cristãos, eles se acomodam, pensam só nele, sempre são as vítimas, os outros não merecem o que tem, etc.

Os ensinamentos de Jesus acerca da vida em comunidade

Veja que a palavra Igreja vem do grego “evkklhsi,an”, e significa assembléia, congregação, comunidade, pessoas unidas numa só fé, portanto para ser cristão é preciso estar em comunidade (comum+unidade).
Uma pessoa sozinha não é Igreja, a Igreja é o Corpo de Cristo. (Ef 5, 30)
Jesus ensinou-nos uma oração comunitária rica em detalhes. (Mt 6, 9)
Assim, se ao orar as palavras que saem de sua boa com freqüência são: eu, meu, mim, minha, seu, sua, me, será que você é Igreja quando você ora assim?
Veja que bela oração Jesus nos deixa como exemplo, o “Pai Nosso”.
Deus é Pai de todos e não só meu. Sendo assim Ele nos tem como filhos e sendo filhos do mesmo Pai, somos todos irmãos. Todas as vezes que não agimos como irmãos, também não agimos como filho e como conseqüência nos afastamos do “Pai Nosso”.
“Venha a nós o vosso Reino”, reza este trecho, já que ou o Reino vem para a comunidade ou ele não chega até a mim. É inútil rezar o “Pai Nosso” se só o que quero é, que as coisas venham só para mim. Para que pedir que o Reino venha se não queremos viver como cristãos? De nada adianta vir o Reino de Deus se o que quero é viver o Reino dos homens com sua s mazelas.
“O pão nosso de cada dia nos daí hoje”, Deus quer que o pão seja nosso e não que uns tenham demais em casa a ponto de deixar perder e jogar fora, enquanto outros não têm nada a pondo de perder o próprio corpo por inanição.
“Não nos deixes cair em tentação”, a tentação está em toda parte, devemos mudar nosso ambiente, para não cair em tentação. Como querer não cair em tentação se tudo em minha volta é tentador para o pecado?
Não cair em tentação implica uma mudança de vida, por isso diz o ditado: “a ocasião, faz o ladrão”.
“Mas livrai-nos do mal”, se tudo em minha volta é trevas como quero ver a luz? Se tudo em minha volta vai mal, como querer dar-se bem?
O nosso ambiente seja o trabalho, a casa, as festas ou outro local de lazer, influem muito em nosso caráter, em nossa moral e em nossas atitudes.
Devemos ser cristãos em todo lugar e não só dentro doa igreja.
O exemplo de vida é que identifica o cristão e não uma “sentada no banco de uma igreja”. Se não vivemos como irmãos como querermos ter um Pai Nosso?

O ser humano um ser social

Os humanos não são criaturas solitárias, mas antes de tudo é um ser social, já que tudo que fazemos depende dos outros. Por isso antes de pensar no “Eu” devemos pensar no “Nós”.
Vejamos os exemplos dos primeiros cristãos que tinham tudo em comum, tudo era de todos. Claramente assim era, por se tratar de poucas pessoas, hoje em dia seria praticamente impossível um esquema assim. Mas nem por isso devemos nos afastar do próximo. Se o mundo fosse mais cristão e menos ganancioso, teríamos um lugar melhor para se viver. (MT 4, 32-37)
Como os primeiros cristãos não eram egoístas, não havia entre eles nenhum necessitado.
Jesus enfatiza no sermão da montanha (Mt 5), que felizes são os que tem misericórdia dos seus irmãos, porque assim também Deus terá misericórdia deles. Jesus continua o sermão explicando que a felicidade é daqueles que promovem a paz, porque só assim serão tratados como filhos de Deus. E conclui dessa forma o belo sermão: “Felizes os que fazem a vontade de Deus e sofrem perseguições por isso, por desses é que é o Reino dos Céus.”
Repararam que todo o ensinamento de Cristo se baseia no amor ao próximo? Tanto é verdade que o próprio Jesus resumiu a lei a este trecho: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”.
Assim só devemos fazer ao próximo aquilo que desejamos que seja feito a nós mesmos. (MT 7, 12)
O essencial da vida cristã é o amor ao próximo, pois quem ama, não é grosseiro, nem egoísta, não fica irritado, nem guarda rancor ou mágoas. Quem ama não se alegra com as coisas erradas ou fúteis, mas se alegra quando alguém faz algo certo. praticando a justiça.
Por isso Paulo nos diz sem meias palavras, “poderíamos ter todo o conhecimento e ter tanta fé a ponto de mover montanhas, mas se não tivesse amor nada seriamos”. (1 Cor 13)
Amar é fundamental e implica em perdoar e fazer isso sempre, pois, Deus nos perdoa nossas faltas a medida que perdoamos a quem nos ofende. Caso não perdoemos nosso irmão, Deus também não nos perdoará. (Mt 6, 14)
Nossa conduta deve ser de amor incondicional. Se amamos, não julgamos o próximo, pois, se julgamos seremos julgados na mesma medida por Deus. Dessa forma devemos evitar desentendimentos e picuinhas, já que a beleza da vida está em viver em paz com o próximo e com nossa consciência. (Mt 7,1)
O Decálogo nos ensina a não matar, Jesus nos ensina isso de forma mais radical dizendo: “Qualquer um que ficar com raiva de seu irmão será julgado. Quem chamar seu irmão de raca (palavra grega que significa: louco, tolo, idiota) será réu do fogo do inferno. (Mt 5, 22)
A mídia hoje prega a normalidade de se encolerizar e xingar, o “ficar de mal” então é normalíssimo na religião do “Eu”.
De modo algum é esse o ensinamento Divino, tanto que Jesus nos mostra a gravidade disso: “Se for fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta.” Daí se vê a gravidade da situação, já que não precisa ser “Eu” a ter algo contra o próximo, basta que seja o próximo a ter contra mim.(Mt 5,23) Vê-se o quanto é importante a vida em comunidade para Deus.
Devemos cuidar então para que nossos olhos e ouvidos não sejam motivos de queda, que são eles os canais de entrada para a alma, seja de bênçãos ou maldições. Se você vê e ouve coisas boas será abençoado, do contrário se só entram porcarias através deles, que tipo de bênção espera ter?
Assim também é com a boca, mas essa é canal de saída das coisas de nossa alma. Assim dizia Jesus aos fariseus: "Raça de víboras, maus como sois, como podeis dizer coisas boas? Porque a boca fala do que lhe transborda do coração". (Mt 12,34) Já que se alguém não cairmos por palavra seremos homens perfeitos, capazes de refrear todo o corpo. (Tg 3, 2)
O grande mal é que com a mesma boca que louvamos a Deus, em seguida amaldiçoamos o próximo e não convém que seja assim.
"Tudo é permitido, mas nem tudo é oportuno. Tudo é permitido, mas nem tudo edifica". (1Cor 10,23) "Tudo me é permitido, mas nem tudo convém. Tudo me é permitido, mas eu não me deixarei dominar por coisa alguma". (1Cor 6,12)
Sabemos que se conhece uma árvore por seu fruto, conosco não é diferente, se conhece uma pessoa por suas obras, já que elas é que pesaram sobre nós.
Ou somos bons ou maus, não existe meio termo, ou cristão ou pagão.
Ou seguimos a Cristo ou o ignoramos, não tem como seguir mais ou menos. Ser cristão é seguir os passos de Cristo, não existe cristianismo light. Não basta apenas crer, é preciso aplicar.
Não adianta nada dizer que se crê em Deus se não seguimos seus mandamentos. Muitos dizem: “eu creio em Deus”. Grande coisa isso, será que basta? O Demônio também crê e treme de medo. Portanto, assim como o corpo sem alma está morto, a fé sem obras também está. (Tg 2, 18-26)

Conclusão

Quem diz ser cristão e não vive como tal, dá um contra-testemunho contra esta fé, já que, muitos descrentes olharão e dirão: “não quero participar de uma religião que prega uma coisa mas faz outra”.
Assim certas atitudes dos ditos cristãos são um desserviço ao cristianismo.
"Se alguém pensa ser cristão, mas não refreia a sua língua engana o seu coração, então é vã a sua fé". (Tg 1,26)
"Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia". (1Cor 10,12)

Um comentário:

  1. Excelente dissertação, os meus parabéns, vou imprimir o seu estudo

    ResponderExcluir